Busca
Home | Fila Brasileiro » Artigos | O Fila e as crianças

Fila Brasileiro

O Fila e as crianças

 

dsc00874-192006.JPG
dsc00789-feito-14111145.jpg
vitor1-14181020.jpg
vitor-5101694.jpg

Um dos maiores temores das pessoas que pretendem ter um cão fila brasileiro é o seu relacionamento com as crianças da casa. Deste modo, é muito comum, para nós que temos Filas e crianças em casa ouvir a pergunta que revela um certo espanto: como vocês fazem pra conciliar estes cachorros bravos e as crianças? Ou então: se eles mordem, como é que as crianças brincam no quintal?

A resposta é fácil. O fila é um cachorro bravo com os estranhos, mas com as pessoas da casa, ele é amigo, meigo e dócil. E, naturalmente, entre as pessoas da casa se incluem as crianças. Se para os adultos, o Fila, é um guarda e um amigo; para as crianças, ele é um grande companheiro e protetor,... as crianças fazem dele um verdadeiro saco de pancada, puxando-lhes as orelhas ou o rabo, montando-o como um cavalo, lutando com ele ou deitando-se sobre ele... E o máximo que o fila faz quando as crianças o incomodam demais é se afastar delas e ir para outro lado. Em situações normais, jamais um fila tem uma reação violenta em relação a uma criança. Eles geralmente se entendem muito bem.

Sendo o Fila um cão de porte grande, e pesado, é claro que numa brincadeira com crianças pequenas, ele pode derrubá-las. Nesses casos, o único problema é um pouco de susto...Mas em segundos eles voltam a brincar juntos.

UM PRESENTE

Um filhote de Fila é quase sempre, o presente mais desejado pelas crianças. Quando ele chega em casa é uma verdadeira festa. O filhotinho se torna um verdadeiro brinquedo vivo, com reações próprias que encantam as crianças. Ambos vão crescer juntos e o Fila se torna um verdadeiro companheiro durante toda a infância até a juventude.

Além de ser um brinquedo, o filhote vai despertar o senso de responsabilidade nas crianças por terem um ser vivo que depende dos seus cuidados e dos seus carinhos. As crianças aprendem com o filhote a necessidade de se alimentarem bem e em horários regulares, para que possam crescer sadios e perfeitos.

Como o Fila precisa de cálcio e vitaminas para complementar sua alimentação devido ao seu porte grande, as crianças passam a entender com facilidade a necessidade de tomar remédio sem reclamar. Uma das coisas que as crianças acham incrível é o fato (e o exemplo) de o filhotinho tomar injeção (na pele solta) sem chorar ou se queixar.

As crianças acompanham sempre com maior interesse, as visitas ao veterinário. E, uma vez no consultório, não se cansam de fazer perguntas sobre tudo o que acontece à sua volta. Tomam conhecimento da necessidade de tomar vacinas e morrem de rir da maneira como o tio veterinário tira a temperatura do cão.

As crianças acompanham com interesse o desenvolvimento do Fila, a troca dos dentes, o seu crescimento rápido, e a maneira como ele começa a ter ojeriza (uma palavra nova para ele) a estranhos e a apegar, cada vez mais, às pessoas da casa.

EDUCAÇÃO SEXUAL

As crianças que tem cachorro em casa encaram com mais naturalidade as diferenças sexuais entre machos e fêmeas, nos filhotes. Até as posições distintas, entre um cão e outro, para urinar, constituem uma grande descoberta, para as crianças.

Quando o Fila se torna adulto e chega a hora do acasalamento, este momento se torna a melhor aula de educação sexual que as crianças podem ter, dificilmente superada por qualquer explicação que poderia ser dada numa escola. As crianças passam a encarar o sexo com uma necessidade para a reprodução e a perpetuação da espécie, e não como uma coisa da qual se deve ter vergonha e que, portanto, precisa ser praticada às escondidas.

As crianças criadas na cidade dificilmente tem oportunidade de ver um acasalamento entre animais e, portanto, passam a encarar o sexo sempre com malícia, em vez de encará-lo com maturidade. Nós podemos dar a elas essa oportunidade de aprendizado com a natureza, criando cachorros em casa.

A gestação da cadela é, então acompanhada pelas crianças com muita expectativa e interesse. Cada evolução é uma nova descoberta, a barriga crescendo, as tetinhas aumentando, os primeiros movimentos dos filhotes na barriga, a tentativa de contar quantos filhotes estão sendo gerados, as primeiras gotas de leite que saem quando as crianças apertam as tetas da cadela, a pergunta inevitável: como é que os filhotes saem da barriga da mãe? Tudo isso auxilia muito a educação da criança. Além disso, todo esse aprendizado se constitui em motivo de orgulho para as crianças perante os colegas de escola e seus amigos.

Toda a expectativa dos dois meses de espera culmina com o nascimento dos filhotes. Se as crianças tiverem a oportunidade de assistir ao parto, ao lado de seus pais, ficarão maravilhados com o milagre da vida; e passarão a encarar o sexo como a coisa mais normal do mundo, sem mistérios, sem malícias, sem maldade.

Outro espetáculo que eles jamais esquecerão é ver os filhotinhos com os olhinhos fechados, mamando (Nessa idade o filhote consegue mamar sem ver por causa do calor irradiado da mãe e não atraído pelo cheiro como em geral se acredita, pois o nervo olfativo ainda está se desenvolvendo e o cãozinho ainda não consegue localizar a mãe pelo cheiro).

Nesta ocasião, tudo é motivo de alegria e de novas descobertas: o número de filhotes nascidos, o sexo de cada um, o número de machos e de fêmeas, as cores, as primeiras tentativas de engatinhar, etc.

NOÇÕES DE HIGIENE

Este é o momento indicado para destacar, para as crianças, os cuidados que devem ter com os filhotes, a maneira correta de carregá-los, as brincadeiras que podem fazer com eles, os cuidados de higiene no canil e as noções de alimentação.

O relacionamento das crianças com o Fila é perfeito, pois terão nele, sempre um grande amigo, um companheiro, com quem aprenderão a conviver melhor com a Natureza.

Dos diversos casos envolvendo o relacionamento de crianças com filas, destacamos, em seguida, alguns deles para exemplificar aspectos desse convívio agradável.

1 - O doutor Paulo Santos Cruz sempre conta o caso de uma família de Santos que tinha uma filha muito pequena e comprou um fila macho do Canil Parnapuan (Bambo de Parnapuan). A convivência muito estreita entre ambos fez crescer uma forte amizade. Quando o cão se tornou adulto, passou a proteger a menina. E ela, aproveitando-se dessa situação, sempre que não queria fazer algum dever, escondia-se na casa do cachorro, que montava guarda na porta e não deixava ninguém ir buscar a menina. Esta passou, então a se valer dessa proteção de broncas e palmadas. Num dia de mais travessuras, entretanto, os pais trancaram a casa toda e passaram a repreender a criança em voz alta. Ela se pôs a chorar. E o Fila, ao ouvir o choro da menina e ao constatar que a casa estava toda fechada, não hesitou em atirar-se por uma vidraça, quebrando os vidros e caindo dentro da casa, pronto para a defender a sua amiga.

2 - O irmão de um criador é muito apegado a uma das cadelas do plantel, mais calma e tranqüila que outra, sua irmã da mesma idade. Esta outra irriquieta, gosta de aborrecê-lo, certamente por saber as preferências do menino. Mas toda vez que esta cadela começa a aborrecê-lo, a outra vem em ajuda do menino e empurra a irmã para outro lado.

3 - Um menino de dois anos que vivia constantemente em contato com uma cadela Fila adulta, conquistou o seu afeto, apesar de estar sempre importunando-a (ora montando-a, ora colocando uma tábua sobre o dorso, quando deitada, para servir de escorregador, ou ainda enfiando e tirando objetos da boca da cadela). Essa afeição da cadela pelo menino foi demonstrada várias vezes: um dia o pai da criança estava brincando com ela junto a uma janela que dava para ao local onde a cadela se encontrava, jogando-a pra cima e apanhando-a na queda. A criança dava gritos, contente com a brincadeira, mas a cadela, talvez pensando que o pai estivesse machucando o menino, veio correndo e ficou latindo brava, junto ao vidro, para que o pai deixasse de fazer aquilo com o menino.

Tempos depois, essa mesma pessoa adquiriu um cão Fila macho. Quando este estava com cerca de sete ou oito meses, o pai pode observar outra manifestação de afeto da cadela para com o seu filho. O Fila macho (que como todos os filas gosta de demonstrar seu afeto esfregando-se na pessoa como um felino) começou a brincar com o menino a se esfregar nele. Como a criança era pequena e o cão pesado, ela foi se afastando até ficar encostada na parede e o cão, continuando em suas demonstrações de carinho, começou a prensá-lo contra a parede,. A criança um pouco assustada começou a choramingar...A cadela, percebendo que o macho estava importunando o garoto, levantou-se de onde estava, foi até o macho e puxou-o gentilmente, mas com firmeza por uma orelha.

O pai, não acreditando que pudesse se tratar de uma ação deliberada da cadela para proteger o menino, resolveu repetir a cena, como uma experiência. Pediu ao garoto que chamasse novamente o cão, e este, ao repetir a brincadeira, novamente o prensou contra a parede. E a cadela, vigilante, mais uma vez levantou-se,puxou o macho novamente pela orelha, protegendo o menino.

Muitas outras histórias que chegam ao nosso conhecimento nos levam a assegurar que a convivência das crianças com o Fila se dá sem qualquer problema.

ALGUNS CONSELHOS

Em seguida, damos alguns conselhos que devem ser levados em conta para que o relacionamento da criança com o cão seja o mais perfeito possível:

1- Para uma casa com crianças, a escolha de uma fêmea é mais aconselhável, por ser mais meiga, mais dócil, e mais paciente. As fêmeas, além de serem mais delicadas, também proporcionam às crianças o aprendizado da reprodução e a alegria de ver nascer uma ninhada.

2- Deve ensinar às crianças que o cão não deve ser incomodado quando está comendo, nem se deve tirar a vasilha dele. Se até os seres humanos ficam bravos quando são interrompidos numa refeição, é perfeitamente normal que o cão não goste disso também. Mesmo numa situação como esta, um fila nunca morderia uma criança da família, mas um movimento brusco do cão pode derrubar uma criança e até machucá-la. Sempre é aconselhável, entretanto, acostumar o cão a aceitar desde pequeno que lhe retirem a sua vasilha da comida ou os ossos que tenha na boca, para que quando adulto, aceite isso com naturalidade, sem reclamar.

3- As crianças devem ser ensinadas a não pular em cima de um cão e abraçá-lo quando está dormindo, pois o susto e a interrupção inesperada do sono podem provocar, naturalmente, uma reação agressiva instintiva que perdurará enquanto o animal não perceber exatamente o que está ocorrendo.

4- Quando a fêmea estiver no cio, as crianças não devem montá-la ou abraçá-la, por trás, de repente, pois ela pode se virar rapidamente, pensando tratar-se de um macho querendo cobrí-la, e, em conseqüência, derrubar a criança.

5- Nos primeiros cinco dias após o nascimento dos filhotes, a cadela se torna muito ciumenta em relação a eles, e o instinto de proteção faz ficar um pouco agressiva. Portanto, nesses dias, é aconselhável que as crianças só entrem no canil acompanhadas dos adultos que se dão com a cadela. Passado esse período, tudo voltará ao normal novamente.

Seguindo-se estes cuidados, pode-se ter certeza que o relacionamento dos Filas com as crianças só trará alegrias para toda a família.

Dr. Airton Campbell

Texto extraído do Jornal ¨O Fila¨, ano I, n° 12, datado de novembro de 1979, e transcrito, com autorização do presidente do CAFIB, ano 2003, Dr. Fernando Zanetti)

 

<< voltar

 

Newsletter - Receba nossos informativos